Rússia: Tensão Máxima

Parece que os esforços diplomáticos para evitar um conflito na Ucrânia, não tem sido bem sucedidos. Os norte-americanos dão como certa a invasão da Ucrânia pelos russos.

Do lado europeu, segue a passos frenéticos, as viagens e reuniões entre os líderes europeus. O Presidente da França, Emmanuel Macron viajará para Moscou para conversar com Vladimir Puttin. Vale lembrar que Macron possue a Presidência Rotativa da União Européia*.

Ao mesmo tempo, o Primeiro-Ministro alemão, Olaf Scholz (SPD) foi para os Estados Unidos para conversar com o Presidente Joe Biden. O Alemanha estava sendo acusada de não ter uma posição firme com os russos.

O dilema do SPD

O grande problema é dentro do partido de Olaf Scholz. Gerhard Schröder (1998-2005), o Kanzler antes de Angela Merkel, é um dos membros acionários da Nord Stream AG. Ele também é o Presidente da Comissão de Administração da Nord Stream 2. Esse é o gasoduto que transportará gás da Rússia diretamente da Alemanha.

Uma das formas de pressão que os russos têm se utilizado é justamente o fornecimentos de gás para Europa. Também é responsável pela alta do preço do aquecimento que afeta o orçamento de milhares de europeus.

Em sua visita aos Estados Unidos, com o Presidente Joe Bide, Scholz mostrou sua posição, a favor da OTAN. Para os alemães, especialmente para os membros do SPD, ele disse em entrevista ao canal CNN: ” Ich bin der Kanzler” – “Eu sou Primeiro-Ministro”.

Guerra em Donbass, leste da Ucrânia

Se há um receio de uma suposta guerra entre a Ucrânia e a Rússia, a situação em Donbass já é assim. Essa é uma região que se encontra em guerra, entre ucranianos e separatista russos, desde de 2014 quando a Rússia anexou a Criméia.

Especialistas acreditam que se houver uma invasão da Ucrânia, seja por aí, com que sabe, uma anexação dessa região.

Mas, níguem sabe o que acontecerá. Em conversa com o Presidente francês, Emmanuel Macron, Vladimir Puttin falou em um plano de paz para a região.

Ao mesmo, aos olhos do mundo, não parece ser convincente falar em paz, quando há mais 100 mil soldados estacionados na fronteira com a Ucrânia.

Os Estados Unidos também envia soldados para o leste europeu, como para Polônia. É uma espécie de remodelação do mapa geográfico europeu, bem estilo guerra fria, quando o mundo se dividia entre capitalistas e comunistas.

Essa história ainda está longe do fim. Ela estará estampada nas páginas dos noticiários europeus nos próximos meses, com a esperança de que a guerra não prosperar.

Entenda a situação

O governo russo não quer que a Ucrânia se torne membro da OTAN – Organização do Atlântico Norte. Caso consiga, a OTAN estaria perto demais dos russos e já “incomodando” a zona de segurança da Rússia.

Para a DricaRibas, é a volta da cortina de ferro, em versão tecnológica, de um conflito antigo entre o Ocidente e Oriente. As conseguências são imprevisíveis.