Refugiados na Europa

Publicado por

A DricaRibas vive na Europa faz mais de vinte anos e a questão dos refugiados sempre seguiu sem solução. Teve seu auge em 2015, com o agravamento do conflito na Síria quando mais de um milhão de pessoas entraram para a União Européia. As consequências foram difícies para a Europa. Houve o fortalecimento de movimentos populistas de direita e desencadeando no Brexit.

Se por um lado, milhares de pessoas querem tentar uma nova vida no lado mais rico do planeta, por outro não é simplesmente possível abrir as portas e acreditar que tudo ficará bem. Há de se fazer um filtro para ver quais aqueles que efetivamente merecem uma chance no país, daqueles que são terroristas.

Junto com a onda migratória houveram vários atentados na Europa. Dentre os mais violentos estão o ataque à casa de espetáculos Bataclan, em Paris, em 2015 com 130 mortos e 350 feridos e o ataque a estação de metrô Maelbook e aeroporto em Bruxelas, em 2016 com 32 mortos e mais de 340 feridos.

Refugiados mortos no sul da Áustria

Na última semana foi encontrado no estado do Burgenland, fronteira com a Hungria, um furgão com 29 refugiados sírios, dos quais dois estavam mortos. O atravessador que era o motorista fugiu para a Hungria. A polícia começou investigações para saber sobre uma possível rede de tráfego de pessoas para a Europa.

No ano passado, aqui na Áustria 14.775 pessoas pediraram asilo. Esse ano, até agora foram 18.411. Um aumento de quatro mil pedidos levando em conta que a onda clássica imigrantes costuma ser no verão, já que no inverno, o frio espanta os refugiados.

Houve também um aumento de refugiados na Alemanha. No ano passado foram 122.170 e agora são 131.732. Muitos desses através da fronteira com a Polônia diretamente da Bielorússia, em uma espécie de birra do governo bielo-russo com a União Européia, devido as sanções impostas.

Há uma discussão para um possível de controle de fronteiras entre Alemanha e Polônia, o que não existe por conta das regras da União Européia.

Como se vê, o problema dos refugiados segue e agora ganhou um contorno mais dramático: o uso de pessoas para fazer chantagem.