Alemanha com pouca vacina

O novo Ministro da Saúde da Alemanha, em entrevista ao principal telejornal “Tagesschau”, Karl Lauterbach (SPD) disse que há pouca vacina no país. Lauterbach explicou que procura empresas e laboratórios, dentro das leis da União Européia, para adquirir mais vacinas, o mais rápido possível.

A chegada da variante Ômicron na Europa, fez com que governos europeus intensificassem as medidas para proteger os seus sistemas de saúde, especialmente os hospitais.

Uma medidas que tem sido considerada urgente é a terceira dose da vacina, a chamada “Booster”, quatro meses após a segunda dose. Também a vacina para as crianças, a partir dos cinco anos.

A grande pergunta que fica no ar é como é possível, que um país como a Alemanha, não conseguiu se preparar para o inverno, quando especialistas, ainda no verão alertaram.

Agora, começa aquela famosa briga de um governo que sai e outro que entra. O fato que, como aconteceu aqui na Áustria, não houve também uma campanha de vacinação contra a Covid19.

O novo governo alemão é muito ambicioso e sobretudo aposta em novas formas de energia para eliminar o carvão e CO2. Aposta no processo de digitalização.

Mas uma coisa é certa: sem uma estratégia concreta para conter a Pandemia, não irá longe.

Atualização:

No 16 de dezembro, em Conferência de Imprensa, o Ministro da Sáude, Karl Lauerbach (SPD) informou que o laboratório Moderna entregará 35 milhões de dose para a Alemanha. Nessa mesma conferência, ele comentou que acompanha os dados da Grã-Bretanha e Dinamarca.

O objetivo é vacinar os alemães, o mais rápido possível, não importando se é a primeira, segunda ou terceira dose.

O grande desafio é frear a Ômicron, aqui na Europa central, se é que é possível.