O Big Brother Brasil 21: A saga continua.

O texto foi escrito, antes da estréia do programa. Desde de então, o público brasileiro vê um festival de baixaria. Até quando os participantes se submeterão a isso para um possível estrelato? E a Globo, não poderia apresentar programas de melhor qualidade? Aí vai o texto original👇

Como acontece em todos os verões, a Rede Globo coloca no ar o Big Brother Brasil, há 21 anos. 

Como formato de programa de televisão, o Big Brother foi colocado no ar, pela primeira vez, em 1999, na Holanda. Inclusive, a produtora responsável pelo programa é holandesa, a Endemol. Desde que foi lançado, o programa já foi exibido em mais de 70 países.

No Brasil, o programa foi lançado em 2002. Foi sucesso absoluto de público. Tanto assim, que houveram duas edições nesse ano. A partir de 2003, ele começou a ter edições anuais.

As primeiras edições era bem interessantes. Trata-se de pessoas comuns que estavam ali para ganhar o um milhão de reais. Depois, percebeu-se a possibilidade de muitos virarem celebridades.

A regra do jogo consiste confinar vários desconhecidos em uma casa e filmá-los 24 horas por dia. O único contato com o mundo é através de um telão, com o apresentador do programa, considerado o Big Brother. Esse conceito foi tirado do livro 1984 de George Orwell, onde o “ditador” comanda as pessoas através de telas. Vale a leitura do livro, para saber se o ditador realmente existe.

Do ponto de vista de programação, o formato do programa é de baixíssimo custo. Um grupo de pessoas que querem aparecer para a grande mídia, especialmente aqueles que querem ser artistas. Durante as diversas provas que tem que passar, os possíveis canditados ao estrelato vão se mostrando, brigando e muito, entre si, expondo-se. Para o público fica a curiosidade, aquela vontade de “fruticar” a vida alheia.

Enquanto estar no ar, o BBB é transmitido todos os dias. Ainda conta com flashes no canal de assinatura, o Multishow e sem contar, que pode-se espiar os participantes via pay per view por outros canais da Rede Globo, como no Globo Play. Uma vitrine perfeita, para aqueles que querem tentar a vida no mundo artístico.

Produzir novelas, por exemplo custa muito mais. Artistas, roteiristas, toda uma equipe de produção. No caso do BBB, esse custo é baixo e o retorno é alto. Pessoas recém-famosas custam menos, que artistas consagrados. Claro também que em tempo de “influenciadores digitais”, o que importa são os números, mesmo que uma parte deles sejam bots.

Já no lançamento do BBB21, as redes sociais já estavam replicando e os participantes que já começaram a ganhar milhares de seguidores. Não importando quanto tempo ficarão na casa, os participantes do BBB já lucraram com os milhares de seguidores. Um ótimo negócio!

Saudade de uma programação mais cultural, com mais conteúdo. Rede Globo que outrora produziu novelas incríveis, como Roque Santeiro, Bem Amado ou Grande Sertão Veredas.

Agora é aguardar os próximos barracos. A cada BBB acontece algo com direito a denúncia na polícia, abuso sexual, etc…O barraco com certeza chegará…e público adorará.