Mulheres brasileiras no Exterior: Somos integradas?

Hoje é o dia internacional das mulheres. A data foi implementada, em Nova York,em 1909, depois de uma jornada de manifestações. Essas exigiam igualdade e o direito ao voto. De modo geral, as nossas vidas são melhores se comparadas com as de nossas avós. Essas só podiam trabalhar, dentro de casa. Aliás, depois que as mulheres adquiriram o direito de possuir uma profissão, elas ganharam jornada dupla!

Mas, nesse pequeno texto, eu gostaria de abordar um novo aspecto. Aquelas mulheres, como eu que se mudaram de seus países e vivem no exterior. Até que ponto somos integradas? Isso depende de dois fatores importantes: o aprendizado do idioma do país donde você emigrou e do apoio do seu companheiro ou marido.

Desde que cheguei em Viena, faz vinte anos, para mim foi fundamental aprender alemão. Eu desde de muito cedo, eu comecei trabalhar, no Jornalismo, no jornal da minha família, no Rio de Janeiro. Sempre gostei muito, especialmente de escrever. Quando eu me casei e vim para Áustria, eu tive que me adaptar a uma outra realidade: a de não necessariamente trabalhar trabalhar na aérea que estudei e sim no que aparecia. E assim foi.

Mesmo que tenha sido difícil, todo o processo de aprendizagem do idioma, adaptação e tranqueiras burocráticas, eu digo para vocês valeu muito a pena! Uma vez que você domina o idioma, há muitas possibilidades para você! Não, você não vai deixar de ser brasileira, você apenas vai entender a sociedade melhor e aproveitar tudo de positvo que tem.

Talvez, muitos de vocês estejam se perguntando se a sociedade austríaca é mais machista que a brasileira. Eu diria que o machismo funciona diferente. Exemplo: em Viena há creches e escolas “Ganztagschule”, onde as crianças permanecem até às 15;30, de maneiras que as mães possam trabalhar. Nos alpes. as escolas funcionam até meio-dia e quase não há creches. Através desse conservadorismo, muitas mulheres não conseguem seguir uma profissão. Mesmo assim, realisticamente escrevendo, a situações da mulheres aqui, de modo geral é melhor.

Pandemia: Home Office e Home Schooling

Eu comecei o texto escrevendo que as nossas vidas, em comparação com a das nossas vidas de avós é melhor. Sim, mesmo que em tempos de Pandemia traga um imenso desafio. O nosso maior desafio é trabalhar de casa e colocar menino para estudar online e ainda as tarefas domésticas que nos perseguem. Nada melhor que chamar o maridão, namorado ou companheiro para dar uma mãozinha, não é mesmo?

Para concluir o nosso post, a Pandemia trouxe a realidade do Home Office, ou seja, a possibilidade de trabalhar desde de casa. Isso para muitas mulheres é muito positivo, já que abre uma porta para uma série de trabalhos, especialmente na aérea de Marketing Digital, ou do E-commerce, por exemplo.

Demos muitos passos para frente, mas ainda temos muitos passos a dar, Feliz dia Internacional das Mulheres!