Efeito Ômicron na Europa

A variante Ômicron chegou a pouco mais de duas semanas na Europa e já começa causar estragos. Na Áustria já são 28 casos confirmados. Na Grã-Bretanha, em pouco mais de duas semanas em ação, as infecções causadas pela Ômicron, já correspondem a 40% dos casos. Essa nova variante é muito mais infecciosa que a variante Delta. Tanto assim, que os governos europeus já se preparam para uma possível quinta onda de infecção, prevista para metade de janeiro, ponto alto da estação de inverno, aqui na Europa.

Uma das estratégias é a terceira dose da vacina, que foi chamada de “Booster”. Todos aqueles que já tiveram tomado a segunda da vacina, seja Biontech/Pfizer, Moderna ou AtraZeneca, esses são convidados tomar a dose “Booster”. A terceira dose deve ser tomada após quatro meses da segunda dose. Para aqueles que tomaram a vacina da Johnson & Johnson, deve-se tomar imediatamente a segunda dose da vacina que é a da Biontech/Pfizer ou Moderna. A vacina da J&J é dose única, mas por conta das mutações, não é suficiente. No fim do post, há uma explicação sobre as vacinas.

Regras de Quarentena na Áustria

As regras de quarentena serão mais restritas. Até agora, alguém que tivesse contato direto com um infectado era considerado como o Contato 1, “Kontakt1”. Aí, essa pessoa iria para quarentena de 10 dias, com a possibilidade de se fazer um teste PCR, no quinto dia. Caso o teste PCR seja negativo, a pessoa pode sair da quarentena. O Contato 2, “Kontakt2” é aquela que tem o contato indireto com um infectado. Exemplo: um colega de sala da minha filha é infectado pelo vírus. A minha filha é considerada com “K1”, já os pais, no caso eu e meu marido, somos “K2”. Como ambos são vacinados, não precisamos fazer quarentena.

Com a variante Ômicron, a quarentena será de 14 dias. Além disso, a última pessoa que teve contato com um infectado pela Ômicron deverá tirar temperatura, duas vezes por dia por até dez dias. A pergunta que fica é quem controlará isso?

A versão podcast

E na Alemanha?

Atualmente, na Alemanha há regra 2G para todas as atividades culturais, esportivas, lojas, com exceção dos supermercados. Aquilo que a DricaRibas já escreveu várias vezes aqui no site, em relação a regra 2G, ou seja Genesen, aquele que se recuperou de uma infecção de Covid19 e Geimpft, vacinado.

Não encontrei uma regra específica para a Covid19 e sim estaduais. Aqui na Áustria, a questão do Federalismo foi muito criticado. Isso significa que cada estado decide de acordo com suas regras, o que com a Pandemia dificulta. O mesmo se aplica na Alemanha.

Para ver quais são as regras atuais da Covid19, na Alemanha, clique aqui.

Para concluir esse post, vamos ver as diferenças entre as vacinas usadas na União Européia.

  • AstraZeneca: vacina produzida pela Universidade de Oxford. Utiliza usa um “vírus vivo”, como um adenovírus (que causa o resfriado comum). Quem tomou AstraZeneca deve tomar a terceira dose de uma vacina com a tecnologia Rma.
  • Biontech/Pfizer e Moderna: utiliza a tecnologia Rma ou Rna mensageiro. Esses imunizantes são criados a partir da replicação de Rna por meio de engenharia genética. Essas são consideradas “vacinas inteligentes”. Por conta dessa tecnologia, essas vacinas são as apropriadas para as variantes da Covid19. Biontech/Pfizer é produzido pelo laboratório alemão da Biontech e a Moderna é um laboratório de Massachusetts, nos Estados Unidos.
  • Johnson & Johnson: Produzida pelo laboratório Janssen. Vacina de dose única, utiliza a tecnologia baseada em vetores do Adenovírus. Essa vacina foi amplamente utilizada, por exemplo, nos Estados Unidos, por sua facilidade de dose única. Aqui na Europa, todos que tomaram essa vacina, devem tomar a segunda dose de uma vacina com tecnologia Rma.

Um comentário em “Efeito Ômicron na Europa