A ciranda russa do gás na Europa

Desde do começo da guerra na Ucrânia, especialmente a dependência do gás russo da Alemanha e da Áustria ficou exposta. Foram anos de bons negócios entre políticos daqui e petroleiras russas através de Vladimir Putin. Mais sobre assunto, você pode ler aqui e aqui.

Especialistas vinham alertando sobre essa depêndia do gás russo poderia ser prejudicial para a economia. É como se você tivesse uma loja, não importa o produto, e só tivesse um fornecedor. De repente, o fornecedor some. O que você faz? É exatamente essa situação que países europeus se encontram.

Com a sanções da União Européia e Estados Unidos, a grande pergunta que ficou: a Rússia seguirá entregando gás para a Europa? Outra questão é a moral, já que com os pagamentos do gás russo, a guerra contra a Ucrânia é financiada.

Pagamentos em rublos

Nos últimos dias, o governo russo decidiu exigir o pagamento do gás em rublos, sua moeda. A idéia seria de reverter o prejuízo que as sanções econômicas impulseram a economia russa e salvar o rublo.

Mas, o grupo do G7, o grupo dos 7 países mais ricos do mundo recusou essa proposta. Os contratos com as empresas russas foram assinados em dólares ou euros e devem ser respeitados.

Alemanha em alerta para possível corte de gás

O Ministro da Infraestrutura alemão, Robert Hubeck (Grune) ativou o plano de economia para o gás. Esse plano contém três etapas. A primeira é de alerta para o consumo do gás, a segunda seria o alerta para reduzir drasticamente o uso e último seria o racionamento. A prioridade é ter gás para os lares, hospitais, bombeiros e policiais.

Em entrevista ao principal canal da Alemanha, o ARD, ele disse que seria importante que todos contribuíssem e diminuíssem o uso do gás. Ao mesmo tempo, ele garantiu que há gás o suficiente, já que está acabando o inverno e começando a primavera.

Pagamentos através do banco do Gazprom

Depois de intensas negociações com o governo russo, Putin “prometeu” seguir mandando gás para a Europa e que aceitou os pagamentos em euros. Essa transação seria feita através do banco da Gazprom que não foi sancionada. Em outras palavras, o depósito seria feito em euros e depois convertido em rublos russos.

Governo austríaco observa

O governo austríaco também anda monitorando o gás no país através da Agência de Energia, a E-Control. Até agora, o gás chega normalmente para o país alpino, mesmo assim o plano de contigência de gás também foi ativado no nível 1.

Em entrevista para a rádio Áustria 1, o chefe da Agência de Energia E-Control, Alfons Haber explicou que é importante a ativação do programa de contenção do gás, mas que ao mesmo tempo, diferente da Alemanha, ainda não há necessidade de “economizar” gás.

No caso da Rússia não entregar mais gás, Haber explicou que pode-se importar gás líquido da Holanda e da Itália. O país alpino depende de 80% do gás russo.

Um comentário em “A ciranda russa do gás na Europa