Covid19 na Áustria: Número de casos explode!

Como vem acontecendo, desde do fim do verão europeu, o número de casos de Covid19 na Áustria acelerou. Nas últimas 24 horas passou de mais 600 casos, dentro os quais, a metade só em Viena.

Há uma semana, o governo implantou o “Coronampel” , o sistema de bandeiras onde indica, quais são os distritos mais afetados, houve uma imensa briga entre os políticos. Viena, mesmo foi colocada na categoria “Amarela”, região de risco. Até esse momento, o governo local considerou “ruim”.

Desde do fim de agosto, a cidade de Viena disponibilizou um serviço de teste grátis, para aqueles que voltaram de viagem ou não. Dentro dos testes realizados, até agora, a maioria são os infectados, mas sem sintomas. Esses já em quarentena.

Há uma enorme preocupação, de como continuaremos. Pelo momento, o começo do outono, as temperaturas estão muito agradáveis e ainda pode se ficar fora. E quando as temperaturas baixarem?

O DricaRibas vem acompanhando o debates e uma coisa é certa: um segundo lockdown é simplesmente impagavél.

Fonte: https://wien.orf.at/stories/3066319/

Covid19 na Europa: Como parar o vírus?

Ontem, eu estive em uma exposição de jardins, na cidade de Tull, no estado da Baixa Áustria. De repente, a chuva chegou. Todos foram se abrigar na cantina do parque de exposições. Acontece, que o lugar era pequeno e ficou cheio. O DricaRibas optou por uma marquise no parque mesmo. Havia uma segunda pessoa, essa bem afastada de mim.

Comecei esse texto, com essa história para ilustrar como será o outono, com chuva e temperaturas mais baixas, onde todos serão obrigados a ficar em lugares fechados. Até agora, estudos sobre a Covid19 mostra que o vírus gosta de lugares fechados, com aglomeração de pessoas para se espalhar e infectar o maior número de pessoas possível.

Com o fim do verão europeu, número de casos de Covid19 vêm aumentando consideravelmente. A França já conta com mais de seis mil casos e se o governo se viu obrigado a tomar medidas drásticas, como o uso obrigatório de máscaras, também ao ar livre.

O governo austríaco colocou um alerta de viagem para a Croácia, país muito querido de férias. A cidade de Viena colocou posto de testagem no Prater. Primeiro, só para aqueles que retornaram da Croácia e depois para todos, mesmo aqueles que passaram férias na Áustria. O resultado até agora mostrou que um terço dos casos de Covid19 são de turistas austríacos que estiveram no Croácia, e outros?

Quem passou o verão aqui, observou piscinas públicas lotadas, muitos sem máscara e pouco distanciamento social. Se há aqueles que entendem que devem seguir as regras, outros simplesmente ignoram. Se havia uma esperança, de que o vírus tiraria férias, as estatísticas mostram o contrário.

No último fim de semana, em Berlin houve uma manifestação contras as medidas para conter a Covid19. Foram 38 mil pessoas. A princípio, a manifestação foi proibida, já que iria de encontro contra as regras para conter a Pandemia. Depois, tribunais superiores decidiram que a manifestação poderia acontecer, desde que houvesse o distanciamento entre os participantes, bem como o uso de máscaras. Nenhum dos dois aconteceram e a polícia dissipou a manifestação.

Foto tirada da TV, do canal PULS4.

Se o direito de manifestar-se é garantido, como fica se a cada aglomeração de pessoas muitas poderão se infectar e até mesmo falecer? Quais são os limites? Perguntas difíceis de responder.

De todas maneiras, os governos do norte da Europa vão tentar de tudo para evitar um segundo lockdown, já que ainda se faz as contas dos prejuízos do primeiro. Setores como o do turismo, aviação e cultura são os diretamente afetados. Muitas empresas quebraram, muitos perderam seus empregos.

Teremos um outono-inverno muito difícil pela frente. Uma coisa é certa, enquanto não houver vacina, não teremos uma vida normal.

A Explosão em Beirute: Imagens que chocam

Aqui no noticiário germanofono, todas as atenções estão voltadas para as explosões em Beirute, capital do Líbano. As imagens simplesmente chocam. Depois da primeira explosão, devidamente filmada e colocada em várias redes sociais, a segunda parecia uma explosão de bomba atômica, como mostram as imagens abaixo:

Watch: Video shows the moment a massive explosion rocks #Lebanon near the Port of #Beirut.

https://t.co/IB8kyus4cq

De acordo com os noticiários daqui, toneladas de nitrato de amônio, algo como 2.750 toneladas estavam “esquecidas” no porto de Beirute. Esse material estava há mais de seis anos aí, vindo de um navio da Georgia para Moçambique, de acordo com relatórios locais. A origem do nitrato ainda não é clara, mesmo que isso gerou uma verdadeira briga jurídica e abandono desse material altamente tóxico.

Devido ao calor, o nitrato explodiu e com isso, no espaço de 10 km, tudo foi praticamente destruído. Até em Chipre, ilha que se encontra no Mediterrâneo a quase 250 km, o impacto foi sentido.

O porto foi totalmente destruído. Um imensa preocupação para um país que importa tudo, a pergunta é como será os próximos tempos, já que o país atravessa uma grave crises econômica, aliada a crise da Covid19 e mais as tensões geopolíticas da região.

Países como Alemanha, França e até mesmo Israel mandaram ajuda humanitária que significa comida, remédios e até médicos. O que é bem-vindo já que a situação do país é difícil.

Até agora, a provável causa da explosão foi o esquecimento desse material químico, altamente explosivo e mau armazenado, como se viu. O governo libanês promete punir os culpados. Ao mesmo tempo, a hipótese de um atentado ainda não foi descartada.

Ainda não se sabe, se com essa explosão, se há uma nuvem química que pode afetar os moradores de Beitute. Ainda há varias perguntas para serem respondidas. Enquanto isso, o número de vítimas só aumenta, já contando com mais cem mortos e mais de mil feridos. Infelizmente.

Fonte: https://www.derstandard.at/story/2000119174160/ammoniumnitrat-koennte-toedliche-detonation-in-beirut-verursacht-haben

Euro Fonds: O acordo histórico chegou

Depois de uma maratona de negociações entre os chefes de estado dos países membros da União Européia, o tão dificil acordo chegou. No total de 1,8 bilhões de euros, dos quais mais de bilhão será usado para o orçamento da União, para os próximos sete anos e o restante para “Next Generation EU” – as gerações futuras.

As negociações não foram fáceis. Começaram na última sexta-feira e só terminaram ontem à noite. Havia uma briga muito grande entre os países do sul e norte da Europa. Como o DricaRibas já escreveu em outros textos, a maneira de encarar o dinheiro público, dinheiro dos pagadores de impostos, sempre foi um grande desafio.

O acordo está sendo encarado como um “alívio”. Caso não fosse possível, a União Européia entraria em mais uma, das muitas crises que anda enfrentando, dentre as quais, o Brexit.

A idéia principal é de reconstruir a economia européia, especialmente em um momento que o vírus mostra as garras. Em quase todos os países daqui, o número de casos de Covid19 vem aumentado consideravelmente. Alguns países, como a França retornou com a obrigatoriedade das máscaras.

Para salvar as economias de países como Itália e Espanha, 360 milhões de euros em “dinheiro vivo” e outra parte em crédito. Esse foi o ponto que gerou o acordo.

O DricaRibas vê como positivo. Com o vírus ainda perturbando, a necessidade de se encontrar um caminho comum é fundamental, até que a vacina finalmente chegue. E essa ainda vai demorar.

Euro Fonds: A Briga sem fim

Desde de sexta-feira, líderes dos países membros da União Européia discutem sobre o “Euro Fonds”. A reunião de cúpula ainda não acabou e um possível acordo ainda está longe.

Euro Fonds é um fundo de ajuda para reconstruir as economias dos países membros, especialmente os do sul da Europa, como Itália e Espanha, duramente afetados pela Covid19. Esses países exigem um crédito, sem nenhuma garantia, para reativar suas economias. Essa tese também é defendida pela Alemanha e França.

Já o outro grupo, defende a ajuda financeira, mas com condições, como um empréstimo com juros. Desse grupo fazem parte, Áustria, Holanda e Suécia. Esse grupo acredita que precisa dar uma satisfação aos pagadores de impostos de seus países e não simplesmente “doar” dinheiro.

Essa briga reflete bem, as mentalidades políticas entre o sul e norte da Europa. No sul, há a crença que os estados são um bolso sem fundo, que não existe a responsabilidade fiscal, ou seja, os gastos do estado não importam. Quem não se lembra da cultura da inflação?

No caso do norte da Europa existe esse responsabilidade fiscal, aliada a cobrança da população, que passou maus momentos no passado, com guerras. E parte da população do centro norte da Europa simplesmente não aceita simplesmente “dar” dinheiro para o sul. E isso gera seguramente, muitos problemas e ressentimentos.

Com certeza é fundamental que os países membros cheguem a um acordo, para reconstrução econômica do bloco. Neste momento que o DricaRibas escreve esse texto, bons textos da imprensa germanofona falava de um possível acordo, onde se mistura crédito com juros camaradas.

A Pandemia da Covid19 ainda está longe de acabar. Nos últimos dias, houve um aumento importante de casos, em toda Europa. A melhor forma de combater o vírus é a união.

Fontes: http://www.orf.at e http://www.ard.de.