O número de casos de Covid19 aumentam na Europa

No 19 de maio, quando a Áustria reabriu para a “vida normal”, a euforia estava no ar. A campanha de vacinação andava bem, a taxa de incidência era baixa. Uma excelente combinação para o verão Europa 2021.

Pouco mais de dois meses passaram, e não somente na Áustria, mas como todo continente passou a ver o número de infecções aumentarem por conta da variante Delta, antiga mutação indiana.

A Alemanha recolocou Portugal e Espanha como países de risco para a Covid19. Os balneários espanhóis, destinos queridos dos alemães se viram obrigados a voltar, algumas casas atrás e recolocar medidas de restrição, como a proibição de sair a noite. Houve um cancelamento em massa das reservas, por conta do aumento das infecções.

Na Grã-Bretanha, a partir de segunda-feira, 19 de julho, todas as restrições contra a Covid19 serão retiradas. O seu Ministro da Saúde, Sajid Javid testou positivo para o vírus, mesmo sendo vacinado. Seus sintomas são moderados.

Os acadêmicos da Universidade Técnica de Berlim prevê um aumento importante de infecções e internações, para o mês de outubro.

A Longa Covid19

Muitos que se recuperaram da Covid19, permaneceram com os sintomas. A maior reclamação é a falta de ar.

O principal hospital de Viena, o AKH – Allgemeine Krankenhaus der Stadt colocou um setor disponível para atender aqueles que ficaram com sequelas da infecção.

A cidade de Viena  vai começar a oferecer a vacina Biontech/Pfizer sem inscrição prévia, no Austria Center, na segunda-feira, 19 de julho. Com essa ação, Viena poderá vacinar até duas mil pessoas por dia.

Governos europeus apelam para que todos se vacinem, especialmente os jovens, o grupo mais afetado por essa variante.

Ainda não se fala em vacinação obrigatória, por aqui. Mas, dependendo do desenvolver da pandemia, nas próximas semanas, quem sabe os governos vão avaliar essa ação.

Uma coisa é certa, mais lockdowns, nem a economia e nem a população, vão tolerar.