Banimento do Donald Trump das redes sociais. Foi certo?

Essa é uma pergunta, que muitos fizeram, aqui na Europa. O banimento de Donald Trump do Facebook e Twitter pode ser encarado como uma ameaça a democracia ou falta de liberdade de expressão?

Desde de 2016, eleito Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump foi a incarnação da não política, do anti-establishment. Rasgou acordos históricos, como o Acordo de Paris ou o acordo contra a produção de armas nucleares, com o Irã. Usou o Twitter, como forma de comunicação direta com seus eleitores.

Pautou a imprensa mundial. Ele sabia que a cada decisão causaria reação nas alas ideológicas do partido democrata. Isso abriu espaço, para uma onda de oportunistas, que navegou nesse caminho. Um bando de caça-clicks e curtidas, cujo o interesse foi unicamente ganhar dinheiro. Influenciou políticos, mundo afora, como Jair Bolsonaro.

As redes sociais também lucraram muito. E por isso, nunca tomaram nenhum tipo de medida. O DricaRibas é contra todo o tipo de censura, mas a favor de filtros. A invasão do Capitólio foi incentivada por Trump, ainda Presidente, que não reconheceu sua derrota. Parte da ação foi coordenada através das redes sociais.

Parte desse imbróglio, a imprensa também é responsável, ao priorizar narrativas, à informação. Por quê? A informação incomoda aos políticos, muito desses, mais preocupados em estar no poder. Muitos desses, utilizam-se das redes sociais, com exércitos de perfis falsos, para atacar adversários. As redes sociais sabem disso e não tomam providências. Bots são lucrativos.

Defendo as redes sociais, com seu uso de conectar pessoas, mundo afora. De trazer um debate público, com pluralidade de idéias, com o objetivo de trazer debates para soluções, não importa se direita, esquerda ou centro. Idéias e formas de pensar diferente enriquece o debate público.

Se as redes sociais querem seguir, nessa linha, deveriam também banir todos os extremistas, terroristas, bandidos, etc e etc. Se é para retirar o mal pela raíz, que façam por completo. Será que farão? Fica a pergunta no ar.

Obrigada por ler o Blog do DricaRibas.